Imprensa: circulação paga cresce, face a 2020

Os mais recentes dados da Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação (APCT), relativos ao segundo trimestre de 2021, indicam que as vendas de jornais e revistas registaram uma subida, ainda que ligeira, de 1,78%, por comparação com o período homólogo. Entre abril e junho de 2021, tanto as vendas de edições em suporte de papel, como as digitais, aumentaram relativamente ao mesmo período em 2020, respetivamente, em 0,17% e 11,34%. Nas 45 publicações em análise, a circulação paga digital representa, agora, 15,8% do total de vendas, o que equivale a um aumento de 1,4 pontos percentuais, face ao ano anterior.

O Expresso manteve-se o meio com maior circulação paga, com uma média de 103 051 exemplares vendidos por edição, seguido pela revista Continente Magazine, com média de 67 426 exemplares vendidos e pelo Correio da Manhã, que apresentou uma média de 54 705 exemplares vendidos, por edição. O top 10 das publicações que obtiveram maior circulação paga é completo pelas publicações Maria, Público, TV 7 Dias, Nova Gente, TV Guia, Visão e Sábado.

Das dez publicações que alcançaram maior circulação paga, a Continente Magazine consegue o maior aumento de vendas, face ao mesmo período em 2020, com uma variação positiva de 36,11%, seguida pelo jornal Público, que sobe 23,02%. A Continente Magazine é, ainda, a única publicação no top 10 sem vendas em suporte digital, enquanto três destas publicações apresentam uma média de vendas digitais por edição inferior a 16 exemplares: Nova Gente, TV 7 Dias e Maria.

Por comparação com o top 10 de circulação paga no período homólogo, disponível aqui, para além da reordenação de alguns lugares da tabela, regista-se a saída da revista Happy Woman, que deixou de ser auditada pela APCT e do Jornal de Notícias, que desce da 10.ª para a 11.ª posição, dando lugar à entrada das revistas Visão e Sábado, para os 9.º e 10.º lugares, respetivamente.

A metodologia utilizada nesta análise teve por base 45 publicações, auditadas pela APCT, em 2020 e 2021, com valores de circulação total paga, em cada trimestre, superiores a 0.

RTP Lab com candidaturas abertas

O laboratório multimédia da RTP, RTP Lab, que financia projetos multiplataforma inovadores e criativos, com potencial para integrar o portefólio de conteúdos digitais do grupo RTP, tem candidaturas abertas a novos projetos, até às 12h, do dia 30 de setembro.

A consulta para a apresentação de projetos transmedia de conteúdos de ficção, humor, documentário e infotainment, que prevejam a interação entre o público e o conteúdo, está aberta a pessoas singulares maiores de 18 anos e pessoas coletivas que sejam produtores independentes, integrem empresas de media, agências de design, multimédia ou jogos ou estabelecimentos de ensino e formação com um projeto interativo.

Os 30 pré-selecionados serão convocados durante o mês de outubro, para uma sessão de apresentação presencial dos projetos.

O regulamento e formulário de inscrição para esta consulta estão disponíveis aqui.

 

 

Bolsa de 2 250 euros para jornalismo de investigação

O Gerador, plataforma portuguesa independente de jornalismo, cultura e educação, com o apoio da Ciência Viva, criou a Bolsa Gerador Ciência Viva, destinada a jovens jornalistas, com o objetivo de estimular a realização de trabalhos jornalísticos de investigação, com acesso a recursos técnicos, humanos e financeiros.

As candidaturas estão abertas até ao dia 8 de outubro, para jovens até aos 35 anos, formados em jornalismo ou em formação. Os projetos a apresentar deverão ser relativos a uma das seis áreas de intervenção editorial prioritárias do Gerador: sociedade, cultura, ambiente e sustentabilidade, interior do país, juventude ou ciência.

A bolsa terá o valor de 2 250 euros, destinando-se 1 500 euros ao apoio à concretização da reportagem e 750 euros, como prémio monetário.

A concretização da reportagem de investigação será compatível com uma ocupação estudantil ou profissional de tempo inteiro, permitindo desenvolver uma reportagem ao longo de um período extenso de tempo, como atividade paralela.

Isabel Lucas vence 1.ª edição do Prémio Jornalismo de Excelência Vicente Jorge Silva

A jornalista Isabel Lucas é a vencedora da 1.ª edição do Prémio Jornalismo de Excelência Vicente Jorge Silva, promovido pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM), com o trabalho Estados Unidos da América, crónica de uma (des)união, publicado no jornal Público, em outubro de 2020.

A qualidade dos projetos jornalísticos apresentados a concurso, num total de 52, levou o júri do Prémio a atribuir duas menções honrosas, a Voltar a Marchar, uma reportagem de Raquel Moleiro e de Tiago Miranda, publicada na edição impressa do Expresso, em dezembro de 2020 e Luanda Leaks. Como Isabel dos Santos desviou mais de 100 milhões de dólares da Sonangol para o Dubai, uma peça de investigação da autoria de Micael Pereira e Luís Garriapa, publicada no Expresso, em janeiro de 2020.

O Prémio Jornalismo de Excelência Vicente Jorge Silva tem como objetivo distinguir trabalhos que reforcem os diferentes estilos da imprensa escrita, contribuindo para uma sociedade mais informada e atribuindo uma bolsa de investigação jornalística no valor de 5 000 euros e, ainda, homenagear Vicente Jorge Silva, figura de destaque no jornalismo português e primeiro diretor do Público, que faleceu a 8 de setembro de 2020.

No percurso profissional da jornalista premiada, Isabel Lucas, constam meios como a RTP, Visão e Expresso. Foi jornalista da secção de Cultura do Diário de Notícias. Foi editora convidada da secção Livros, da Time Out e editora responsável pelo Outlook, do Diário Económico. Posteriormente, colaborou com o Público, como jornalista freelancer e colunista. Em 2013, juntou-se ao projeto Nau XXI, como diretora redatorial. Autora do Blog PuroAcaso e dos livros Vicente Jorge Silva, conversas com Isabel Lucas (2013) e Viagem ao Sonho Americano (2017). Autora do podcast Grandes Leitores, na Antena 3 e Público.

Pedro Pinheiro (TSF) entre os três nomes apresentados para liderança da CNN Portugal

Pedro Pinheiro foi anunciado como uma das contratações para a direção da CNN Portugal, deixando o cargo de direção-executiva da TSF que ocupava, desde outubro de 2020.

A estrutura diretiva da CNN Portugal é composta, ainda, por Nuno Santos, como diretor-geral, conforme anunciado em julho, por Frederico Roque de Pinho, que ocupa a função de diretor-executivo, com responsabilidade pela operação do canal de Televisão, e por Pedro Santos Guerreiro, enquanto diretor-executivo responsável pela área digital.

O lançamento do novo canal informativo, que substituirá a TVI24, na mesma posição no cabo e partilhará a redação com a TVI, está planeado para o último trimestre deste ano.

Em substituição de Pedro Pinheiro, na direção da TSF, foi já apresentado o nome de Pedro Cruz.

Pedro Pinheiro exerceu funções de subdiretor da TSF, entre setembro de 2010 e julho de 2016. A 1 de agosto de 2016 assumiu o cargo de diretor-adjunto da TSF e, em Novembro de 2019, ocupou o cargo de diretor interino (após a saída de Arsénio Reis da direção da Rádio), função que mantém até outubro de 2020, altura em que Domingos de Andrade passa a diretor-geral editorial e diretor da rádio TSF, passando Pedro Pinheiro a diretor executivo.

Leme, novo projeto de literacia mediática do Governo

Ficou, ontem, disponível a plataforma LEME – Literacia e Educação Mediática Em linha, um sítio, de acesso livre, na internet que agrega, organiza e referencia recursos de apoio à educação para os media, com recursos em vídeo, áudio, jogos, e propostas de atividades, para serem utilizadas em atividades pedagógicas. O portal foi criado com o objetivo de ajudar a combater as armadilhas da desinformação.

O LEME é uma iniciativa promovida pelo Secretário de Estado Adjunto e da Educação, João Costa, e pelo Secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva.