Índice Mundial da Liberdade de Imprensa: Portugal é 9.º

DR

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) estabelece um índice mundial e índices por continentes, que permitem avaliar a performance geral dos países em termos de liberdade de imprensa. De acordo com o documento divulgado esta semana, Portugal é o nono país na classificação, subindo uma posição em relação ao ano passado. Entre os países lusófonos que constam no índice, Brasil é o pior (111.º), tendo descido quatro posições.

O Índice Mundial da Liberdade de Imprensa apresenta ainda um retrato da realidade mediática atual, considerando que houve uma “deterioração dramática” da liberdade de imprensa desde a chegada da pandemia, concluindo-se que 73% das nações do mundo têm problemas neste âmbito.

Salienta-se ainda a queda na confiança do público no próprio jornalismo. A associação indicou que 59% das pessoas inquiridas em 28 países afirmaram que os jornalistas “tentam iludir o público de forma deliberada, divulgando informação que sabem ser falsa”.

Nuno André Ferreira premiado no World Press Photo

Foto: Nuno André Ferreira

No âmbito do prémio internacional de fotografia World Press Photo, o fotojornalista Nuno André Ferreira, que trabalha na Agência Lusa, alcançou o terceiro lugar na categoria Spot News, com a fotografia Fogo na floresta.

A imagem foi captada foi captada em setembro de 2020, mostrando uma criança dentro de um carro e o recorte das chamas num incêndio, que começou em Oliveira de Frades, Viseu.

Na semana passada, a organização do World Press Photo anunciou os 45 vencedores de 28 países. O prémio principal, a Fotografia do Ano, foi para The First Embrace, do fotógrafo dinamarquês Mads Nissen, que retrata uma idosa a ser abraçada por uma enfermeira, num lar de idosos em São Paulo, no Brasil, a 5 de agosto do ano passado.

Em 2010, Nuno André Ferreira venceu o prémio nacional Estação Imagem, na categoria Ambiente, e em 2019 conquistou o Prémio Rei de Espanha de Jornalismo, com a fotografia O Nosso Presidente Marcelo.

Lançamento do “Novo”

Imagem: Novo/DR

O Novo integra o panorama mediático nacional desde a passada sexta-feira, assumindo-se como “marcadamente de centro-direita”. Propriedade da Lapanews, Edições e Comunicações, o semanário conta com uma edição em papel às sextas-feiras, um site (www.onovo.pt), tendo o lançamento sido marcado também pelo regresso da revista social Olá!.

Em comunicado oficial, a designação “Novo” figura no logótipo acompanhado das palavras “Semanário Original e Livre”, após a ERC ter recusado a inscrição do título Sol. O projeto é liderado pelo jornalista Octávio Lousada Oliveira (diretor editorial) e pelo gestor Diogo Agostinho (diretor não-executivo), que coordenam uma equipa de 25 jornalistas.

A publicação, de 64 páginas, inclui as secções: Nação, Valor, Global e Vida, dedicadas, respetivamente, à Atualidade Política Nacional; à Economia; aos assuntos internacionais; e às áreas do Ambiente, Cultura, Desporto e Tecnologia. O presidente do CDS/PP, Francisco Rodrigues dos Santos; a dirigente da Iniciativa Liberal Maria Castelo Branco; o deputado do PSD Pedro Rodrigues; o professor universitário Rui Teixeira Santos; o líder parlamentar do CDS/PP, Telmo Correia; e o antigo ministro da Saúde do PS Adalberto Campos Fernandes são alguns dos cronistas.

“Essencial” é o novo programa de Conceição Lino, na SIC

O novo programa Essencial, que marca o regresso de Conceição Lino ao ecrã, tem estreia marcada, na SIC, para a próxima quarta-feira, dia 21 de abril e será integrado semanalmente no Jornal da Noite.

A SIC anunciou, ontem, o novo formato, através das redes sociais: “A partir de 21 de abril, todas as quartas-feiras, Conceição Lino traz-nos o “Essencial”. Tudo o que é essencial conhecer, alertar e investigar. “Essencial”, no “Jornal da Noite“ da SIC.

Conceição Lino integrou a equipa fundadora da SIC, em 1992. Até 1994 manteve-se como repórter e apresentadora de noticiários. Foi o rosto de programas como Praça Pública (94/95), Casos de Polícia (96/99) e foi responsável pela coordenação das edições de fim-de-semana dos noticiários da SIC (2000/01). Apresentou e coordenou o Hora Extra (02/03) e Nós por Cá (08/10) e, em setembro de 2010, entregou a carteira profissional e assumiu a condução do programa de entretenimento Boa Tarde, até à conclusão do mesmo, em outubro de 2014. Em 2015 regressou à redação da SIC como jornalista e, em outubro de 2018, começa a apresentar A Rede, um formato que abordou os perigos da internet. Em setembro de 2019 venceu os Globos de Ouro SIC/Caras, na categoria de Jornalismo. Em setembro de 2020 estreou a rubrica 15/25, inserida no Jornal da Noite, da SIC.

Fonte da imagem: Instagram da SIC

MDM 2021: Os media em análise

Foi divulgado hoje o Media for Democracy Monitor (MDM) 2021, um projeto que conta com o envolvimento de 18 países, apontando que “os meios de comunicação noticiosos não perderam a sua importância para os cidadãos e a procura de notícias continua alta”. Ainda de acordo com o comunicado do MDM, “os principais media continuam a servir bem as democracias contemporâneas”.

Segundo esta análise, os meios de comunicação lidaram “razoavelmente” com o digital e encontraram forma de manter um “bom nível” de desempenho, apesar dos desafios económicos, políticos e tecnológicos.

O MDM 2021 aponta ainda que o “alto nível” de concentração da propriedade dos media poderá desafiar “de modo crítico” a diversidade informativa. Com efeito, nenhum país indicou ter níveis de concentração muito baixos e, em quase todos, “a concorrência parece ser fraca”.

Assim, verificou-se que o processo de digitalização não contribuiu, na realidade, para equilibrar os níveis de concentração da propriedade, tanto ao nível regional como local.

“Desporto com Ética 2020” Prémio de Imprensa

Já são conhecidos os vencedores do Prémio de Imprensa “Desporto com Ética 2020”, promovido pelo Instituto Português do Desporto e Juventude, através do Plano Nacional de Ética no Desporto, e pelo Clube Nacional de Imprensa Desportiva/Associação dos Jornalistas de Desporto.

As candidaturas à nona edição decorreram até ao final do mês de janeiro, sendo agora conhecidos os premiados. Eis os vencedores das duas categorias:

Imprensa Regional

1.º Prémio: “A leoa e a águia que fizeram abalar o lançamento do peso em Portugal”, de Miguel Sampaio, publicado no Jornal de Leiria.

Imprensa Desportiva e/ou na Imprensa Generalista

1.º Prémio: “Deixou de bisar no jogo para ajudar rival e acaba com a Taça nas mãos”, de Cláudia Oliveira, publicado n’ O Jogo.

O Prémio de Imprensa “Desporto com Ética 2020” incentiva trabalhos originais relacionados com a Ética no Desporto, elaborados por jornalistas e/ou colaboradores de órgãos de comunicação social portuguesa.