O acompanhamento feito pelos meios de comunicação social à detenção do ex-primeiro ministro José Sócrates antecipava, desde as primeiras horas, que estaríamos muito provavelmente perante uma “experiência mediática”, no mínimo, incomum.

A elevada dimensão social e política deste caso, não deixando praticamente ninguém indiferente ao assunto, fez-se notar ao nível do impacto comunicacional, traduzindo-se num volume muitíssimo elevado de informação gerada. A transversalidade e o peso moral do tema na sociedade portuguesa levou a que de imediato, jornalistas, políticos, comentadores e diferentes personalidades saltassem para a “praça pública” e marcassem o tema como o dominante da agenda mediática.

Os diretos e os exclusivos, os debates e espaços abertos à opinião pública desdobraram-se, enchendo um balão mediático que agora vai esvaziando, lentamente, até que novos sopros informativos lhe dêem novo fôlego mediático.

A Cision estudou a cobertura feita pelos meios de comunicação social nacionais, pelos media online internacionais e ainda, com a ajuda do WISE – Serviço de monitorização de redes sociais, avaliou, o buzz gerado nas redes sociais e nos blogues, por este “histórico” e inaudito acontecimento. Nunca um primeiro-ministro havia sido detido em Portugal. O efeito nos media foi avassalador. As redes sociais deram-lhe dimensão. Os números que o Wise registou em redes como o Facebook, o Twitter, o Instagram, o Google+, o Youtube, bem como nos blogues, comprovam-no.

O estudo da Cision foi divulgado pelo Jornal Expresso na sua edição diária, um extenso trabalho publicado no dia 28 de Novembro de 2014.

Os números recolhidos, e posteriormente divulgados, dizem respeito apenas aos primeiros três dias ocorridos sobre a detenção, os primeiros momentos de um caso que continua até hoje a alimentar, um pouco ao sabor das fugas de informação recorrentes, a agenda mediática nacional.

A pesquisa ocorrida incidiu, concretamente, entre o final de sexta-feira – dia 22 de Novembro, a hora a que ocorreu a detenção, e o final do dia de segunda-feira, 24 (período: da 00:00 de 22.11 até às 23:59 de 24.11), quando foi finalmente anunciada, após alguns adiamentos, a prisão preventiva decretada pelo Juiz Carlos Alexandre.

Estamos a falar de números verdadeiramente impressionantes. Em Portugal, só em espaço televisivo, estamos a falar de 179 horas dedicadas ao assunto, em apenas 3 dias. 17 horas de rádio. Foram registados mais de 8 mil conteúdos noticiosos sobre a detenção de José Sócrates, com a pesquisa a percorrer todos os meios – imprensa escrita (744 artigos), meios online (4378 artigos), rádio (297 artigos) e televisão (2901).

Através do WISE, medimos ainda o pulso às redes sociais, facto que só veio corroborar que a torrente informativa alimentou discussões permanentes: no mesmo período foram monitorizados perto de 29 mil comentários sobre o assunto (28.930), aferindo-se ainda, em percentagem, os comentários que se revelaram desfavoráveis (negativos), favoráveis (positivos) ou neutros em relação a José Sócrates.

Nesta avaliação mais “qualitativa”, a percentagem de comentários desfavoráveis ao ex-primeiro-ministro triunfa, por larga maioria, com 62%. Já 31% dos comentários mostraram ser neutros em relação ao tema e apenas 7% dos comentários são favoráveis a José Sócrates.

Finalmente, os números da imprensa online mundial – foram quase 10 mil artigos detetados nos media online internacionais (9848 artigos) -, com a vizinha Espanha, a Alemanha e os EUA a liderarem o número de conteúdos noticiosos produzidos relativos ao tema. Mas outros países como a Turquia, a França, a China, o Brasil, a Itália, a Venezuela, o Canadá, a Suíça, o Reino Unido, a Roménia, a Suécia, a Argentina, o México e a Bélgica, entre outros, não ficaram indiferentes ao assunto. Em maior ou menor volume de conteúdos noticiosos gerado, todos estes países (bem como alguns com valores residuais e não mencionados) noticiaram o acontecido.

É importante ainda destacar a percentagem (%) de tempo dedicado pelas diferentes televisões e rádios nacionais à detenção de José Sócrates (face ao tempo informativo total de cada estação).

Relativamente à rádio, as estações dedicaram grande parte do seu espaço noticioso à detenção de José Sócrates, como os números demonstram. Valores como os da Renascença e TSF, com 51% e 50%, e Antena 1 e Rádio Comercial, com 45% e 34%, são bem ilustrativos do espaço ocupado pelo tema  no total de espaço informativo de cada estação.

Já em relação à televisão, o cenário não muda muito, com o Expresso Diário a deixar este facto bem vincado, no artigo publicado no dia 28:

socrates

in Expresso Diário (28 – 11 – 2014)

 

pblizniuk@themxgroup.com'

About Admin Name

Pellentesque habitant morbi tristique senectus et netus et malesuada fames ac turpis egestas. Vestibulum tortor quam, feugiat vitae, ultricies eget, tempor sit amet, ante. Donec eu libero sit amet quam egestas semper. Aenean ultricies mi vitae est.