Entre 2015 e 2019, foram 32 os projetos de jornalismo em Portugal apoiados pelo fundo Digital News Initiative (DNI), criado pela Google para promover a inovação no digital e apoiar o jornalismo de qualidade.

No total foram atribuídos cerca de 150M€ em 662 projetos digitais de notícias de 30 países europeus, encontrando-se a Alemanha no topo de atribuição de verbas, com 21,5M€, seguida pela França (20,1M€), Espanha (12,1M€), Itália (11,5M€), Reino Unido (14,9M€) e, na sexta posição, Portugal (7,7M€).

Do montante atribuído a Portugal, 49% destinou-se à exploração de novas tecnologias, 24% ao combate à desinformação, 15% foram gastos para potenciar a divulgação de histórias locais e 12% para impulsionar receitas digitais.

Público, Impresa, agência Lusa, Cofina, Diário de Notícias, Global Media e Observador foram alguns dos principais meios de comunicação portugueses a usufruir do DNI. Fazem ainda parte da lista o INESC TEC, a Universidade do Porto, a empresa jornalística Região de Leiria, entre outros.

O jornal digital Observador é especialmente destacado pela Google pois utilizou os fundos do DNI para alargar a sua atividade ao áudio e desenvolver um serviço de voz para conteúdos de rádio e podcasts. Além da criação da Rádio Observador, com abrangência nacional, tornou-se um dos maiores serviços de podcasts do país, com 25% do mercado total de áudio on-demand e 180.000 utilizadores únicos mensais.

Também mereceram destaque da Google projetos como a Plataforma de Media Privados (PMP) – o Nónio, a plataforma tecnológica única criada pelos maiores grupos de comunicação que oferece conteúdos personalizados; a hub criada pela agência Lusa que permite a produção e circulação de notícias para e sobre outros países de língua portuguesa; o investimentos do Jornal de Notícias em conteúdo vídeo para a web; o projeto P24 do jornal Público; e as experiências de realidade aumentada com vídeos interativos em 360º criadas pelo INESC TEC.

Segundo Madhav Chinnappa, diretor de desenvolvimento do ecossistema de notícias da Google, em declarações à agência Lusa, “As pessoas estão a perceber como podem colaborar e em que podem competir, em vez de competir em tudo. Vamos ser mais sábios e escolher onde competir e onde podemos colaborar. Acho que essa tendência de colaboração vai continuar, o que é bom”, tendo acrescentado, “A colaboração em todas as formas é importante e a pandemia demonstrou o quão interconectados estamos”.

A lista completa de projetos criados pode ser consultada na plataforma da iniciativa.

De referir ainda que, em 2018, a Google lançou outra plataforma de financiamento, a Google News Initiative, que tem por objetivo investir 300 milhões de dólares no desenvolvimento do jornalismo. Também este fundo já apoiou mais de 6250 parceiros em 118 países – 189 milhões investidos até ao momento -, dos quais 54,3 milhões estão a financiar organizações europeias.

Para aceder ao completo da Digital News Initiative, clique aqui

About Lúcia Pereira

Licenciada em Relações Internacionais, entrei para a Cision (então Memorandum) em fevereiro de 1998 para realizar um estágio profissional. Entre 1998 e 2009 desempenhei funções sobretudo na área do clipping e edição de texto (Departamento de Produção). Em 2009 fui convidada a ingressar no Departamento de Research e assim responder a um novo desafio e função na empresa - a de Media Researcher.
No meu tempo livre gosto de ir à praia, de caminhar e de séries cómicas, sobretudo gosto do humor inteligente onde a crítica e o elogio às diferentes áreas da sociedade é feito não só com o intuito de nos divertir mas sobretudo de nos fazer pensar "fora da caixa".