Segundo decisão da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), divulgada na passada quarta-feira, dia 18, Mário Ferreira terá de lançar uma OPA obrigatória sobre a posição detida pelos minoritários da Media Capital, o grupo dono da TVI, depois de o regulador ter considerado que o empresário dono da Douro Azul e a Prisa agiram em concertação na Media Capital.

A CMVM adianta que “decidiu manter o sentido do projeto de decisão divulgado em 09 de outubro de 2020, após analisar a respetiva pronúncia em audiência de interessados, por considerar que resulta demonstrado o exercício concertado de influência dominante entre a Vertix e a Pluris Investments sobre a Media Capital até à alienação da participação da Vertix em 03 de novembro de 2020”.

A oferta da Pluris, sociedade dominada por Mário Ferreira, tem de incidir sobre os 69,78% que não estão nas mãos do empresário. Refere o mesmo comunicado que “a CMVM determina, nos termos do artigo 187.º, n.º 1, do Código dos Valores Mobiliários, a divulgação de anúncio preliminar de oferta pública de aquisição [OPA] obrigatória da Pluris sobre todas as ações da Media Capital por si não detidas, no prazo máximo de cinco dias úteis”.

A oferta terá de ter um valor pelo menos 2% acima do proposto pela Cofina na OPA à Media Capital e, de forma cumulativa, “ser pelo menos igual ao maior preço pago, ou acordado pagar pela Pluris por ações da Media Capital”.

About Susana Fernandes

Media Researcher, Cision
Formada em Comunicação Organizacional, vesti a camisola da CISION em 2006, tendo tido a oportunidade de trabalhar em áreas tão distintas como as Análises de Media, as Análises de Social Media e, agora, o Media Research.
Adoro comunicar, pessoas do bem, gatinhos fofinhos - há outro tipo?! - e todos os momentos que consigo passar no meu tapete de Yoga, não necessariamente por esta ordem.