June 24, 2021 / in Media / by Ana Faustino

O estudo Reuters Institute Digital News Report 2021, lançado ontem, indica que os níveis de confiança dos portugueses nas notícias é de 61%, o que revela uma subida de cinco pontos percentuais, comparativamente com 2020.

Apesar do aumento de confiança, no total dos 46 países em análise, Portugal desce uma posição no ranking global, perdendo a primeira posição que ocupava no ano passado, em ex aequo com a Finlândia, que se destaca, agora, com 65%, enquanto o valor médio de confiança nas notícias dos países em estudo subiu seis pontos percentuais, para os 44%.

De acordo com o relatório da Reuters, entre as prováveis justificações para esta subida de confiança, destaca-se o papel preponderante da comunicação social na ajuda à interpretação e compreensão da nova realidade, em situação de pandemia.

O estudo indica, ainda, uma subida na confiança nacional das notícias obtidas nos resultados de pesquisa, com 45% (+2 p.p.) e nas notícias de fontes utilizadas pelos inquiridos, com 62% (+3 p.p.). Em contrapartida, a confiança dos portugueses nas notícias das redes sociais desceu dos 28%, obtidos em 2020, para os 27%, este ano.

Relativamente aos meios utilizados como fonte de notícias, em Portugal, o Online (incluindo redes sociais) e a TV surgem destacados, ambos com 77%, as Redes Sociais com 55% e a Imprensa, com 27%. No acesso às notícias, os portugueses utilizam, cada vez mais, o smartphone, que regista um aumento de cinco pontos percentuais, para os 75%, enquanto o acesso feito por computador revela uma descida de quatro p.p., para os 52%. Os tablets também foram menos utilizados este ano para aceder às notícias, demonstrando uma descida de dois p.p., para os 15%.

Quanto ao pagamento de conteúdos noticiosos online, Portugal regista, agora, que 17% dos inquiridos pagou por notícias online, o que indica uma subida de 7 p.p., relativamente ao ano anterior, aproximando-se da média de 18% registada nos países em análise.

As marcas de meios de comunicação social nacionais que ocupam o pódio em índices de confiança, de acordo com este estudo, são RTP, SIC e Jornal de Notícias.

Na utilização das redes sociais, em Portugal, Facebook e Youtube continuam a ser as mais utilizadas, mas “ambas as redes registam perdas de utilizadores face a 2020Facebook perde utilizadores na ordem dos 3,7 pp. e Youtube na ordem dos 2,4 pp. Em termos de utilização para consumo de notícias, as duas redes registam perdas na ordem dos 2,5 pp. e 3,9 pp., em 2021 face a 2020, sendo que 47,7% dos portugueses que usam a Internet usam o Facebook para aceder a notícias e 19,9% o Youtube”. A análise realizada em parceria entre a Reuters e a OberCom, revela, ainda, que o Whatsapp e Twitter são as redes com maior subida no número de utilizadores, no nosso país. De forma mais modesta, aumenta, também, o número de utilizadores do Instagram.

 

Fonte das imagens: site da Reuters Institute

Publicações mais recentes

Tópicos do Blogue Cision

  • Cision Product News

    Keep up with everything Cision. Check here for the most current product news.

  • Communications Best Practices

    Get the latest updates on PR, communications and marketing best practices.

  • Executive Insights

    Thought leadership and communications strategy for the C-suite written by the C-suite.

  • Media Blog

    A blog for and about the media featuring trends, tips, tools, media moves and more.

About Ana Faustino

Research Team Leader da Cision Portugal Coordenadora do departamento responsável pela recolha e análise de dados sobre Meios de Comunicação Social (nacionais e internacionais) e Influenciadores (produtores de conteúdos editoriais e influenciadores digitais). Responsável pelos relatórios anuais do Panorama dos Media e Embaixadora da Cultura e Eventos da Cision Portugal. Licenciada em Comunicação Social, trabalha em media intelligence, desde 2015. Gosta de novos desafios, ávida por aprender, sejam idiomas ou a utilização de novas ferramentas e funcionalidades, às quais se dedica afincadamente, com vista a acelerar procedimentos. Autodidata, sempre que necessário. Não concebe um dia bem passado sem dança, música, literatura ou viagens. Sorridente.